quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Dízimo! Quem são os verdadeiros ladrões?


Dízimo, do latim decimus” décima parte de algo.  De suas origens aos dias de hoje muitas coisas mudaram. Nas sagradas escrituras a primeira menção do dízimo é voluntária. No livro de Gênesis, capítulo 14, Abrão depois de uma guerra "deu o dízimo de tudo" a um sacerdote chamado Melquisedeque. Abrão passa a se chamar Abraão. Houve continuidade dessa contribuição de forma voluntária através de Jacó, que veio a se chamar Israel.

Entretanto depois de muitos anos, na era de Moisés o pagamento do dízimo sofre sua primeira alteração (Levítico 27) deixando de ser voluntário. Logo se torna um tributo. Do imposto relatado em Deuteronômio 14 podemos ver alguns aspectos que não eram mostrados no livro primeiro livro que trata da lei mosaica -- ressalta-se um fato interessante a cada três anos os dízimos recolhidos serviam para fins comunitários, auxílio aos menos favorecidos.

É comum ouvirmos alguns líderes evangélicos afirmarem que a não devolução do dízimo é “roubo” – que os fiéis estariam roubando a Deus, tendo como consequência a maldição. Tais declarações impactantes são baseadas na leitura de Malaquias 3: 8-10. Passagem em que o profeta retrata o descaso do povo de Israel com seus costumes religiosos e culturais. Entretanto no campo teológico há diversos textos que tratam das questões que envolvem o pagamento do dízimo.

Nos dias de hoje surgem muitos debates em torno dessa obrigatoriedade, inclusive, como norma de fidelidade. Onde os fiéis devem entregar 10% de sua renda bruta à igreja. Nesse contexto a sociedade fica confrontada com um sistema religioso capitalista. 

De certa forma muitos passam a acreditar que as benções do Deus de Abraão podem ser garantidas por meio de contribuições financeiras. Contribuições essas que na maioria das vezes deixam de ser usadas no contexto social citado acima.  Não podemos negar que há muitas igreja que pedem, mas onde está a ajuda ao necessitado?

Nosso propósito não é provocar embates sobre a obrigatoriedade do dízimo, mas contribuir conforme orientação do apostolo Paulo (Romanos 12:2) – para os que não se conformam com o mundo cada vez mais capitalista e individualista. 

Afinal nos tempos modernos o que estamos vendo imperar com tais recursos retirados dos fiéis? Se não um “show da fé” e surgimento de novos impérios materiais que são construídos a custa dos mais sacrificados.

Por: Washington Luiz
Jornalista e Teólogo

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Arquivo do blog